Streaming de Vídeo

De Pontão Nós Digitais
Diagrama geral do funcionamento do streaming

Streaming de Vídeo é uma forma de distribuição de informação vídeográfica por meio de alguma via tecnológica como ondas de rádio, Internet, etc na qual o vídeo, acompanhado ou não de som, estará dividido em pequenos fragmentos que compõe um fluxo contínuo. Aqui, além de apresentar alguns conceitos, abordaremos a infraestrutura e os passos necessário para realização de streaming de vídeo pela Internet com ferramentas open and free source.

Há algum tempo, executar essa tarefa em sistemas GNU/Linux não era muito fácil, mas, com o desenvolvimento de determinadas ferramentas, o processo se tornou bastante facilitado e com diversas opções.


Estrutura e funcionamento geral

Hardware

O aparato mínimo de hardware necessário para fazer uma transmissão de streaming de vídeo pode ser composto por:

  • 1 câmera responsável por capturar a imagem do que se quer transmitir;
  • 1 microfone responsável por capturar o audio do que se quer transmitir junto com o vídeo (vale lembrar que pode ser o microfone da própria câmera, embutido nesta);
  • 1 computador de base, em geral chamado de Ilha de Transmissão, com entradas (inputs) compatíveis com as saídas (outputs) da câmera e/ou do(s) microfone(s). Esse computador, em geral, faz a ponte entre os dispositivos de captura (cameras e microfones) e o servidor de transmissão ou, ainda, num modelo mais minimalista, numa rede local por exemplo, diretamente com o usuário que estará assistindo a transmissão;

Esse modelo, no entanto, é limitado e um tanto paradigmático. Algumas transmissões podem dispensar a necessidade de qualquer fonte de audio. Existem também, por exemplo, formas de transmissão de vídeo que dispensariam o computador, como transmissões que utilizam equipamentos exclusivamente dedicados a captura e transmissão via web, os chamados "Wireless Streaming Video Encoders". Eles são como máquinas dedicadas de transmissão nas quais o usuário que opera não tem quase nenhuma interação com o equipamento (diferente de uma transmissão por computador que muitas vezes demanda operação de um usuário em um serviço ou software de transmissão).

Exemplos de "Wireless Streaming Video Encoder" são equipamentos como estes:

  • Teradek VidiU On-Camera Wireless Streaming Video Encoder

Teradek VidiU On-Camera Wireless Streaming Video Encoder.jpg

  • IDX CW-1 Wireless HDMI Video Transmission System

IDX CW-1 Wireless HDMI Video Transmission System.jpg

  • Livestream Broadcaster

Livestream Broadcaster.jpg Livestream Broadcaster 2.jpg

No entanto esses equipamentos permitem uma mobilidade pequena de opções visto que muitos deles estão ligados a serviços de uma determinada empresa de transmissão, como o caso do Livestream Broadcaster ligado ao serviço http://new.livestream.com. Um outro fator de perda é a pequena disponibilidade de controles de entradas, mixagem e ajustes: usando esses equipamentos, no geral, a transmissão acaba sendo feita com apenas uma ou duas câmeras e / ou um microfone e sem disponibilidade de fazer correções/ajustes/modificações em vídeo que está sendo transmitido como GC (Character generator or Lower third), fade in/out, etc.

Gerenciamento de fluxo e transmissão

Em muitos casos faz-se necessária a presença de equipamentos de controle de fluxo, entradas e saídas. Existem muitas formas de gerenciar isso, desde somente a nível de hardware, de forma simples, usando comutadores de vídeo, como com formas mais profissionais usando switchers, mixers ou mesas de corte de vídeo.

Exemplo de comutadores: Comutador1.jpg Comutador6.jpg Comutador3.jpg Comutador5.jpg

Existem equipamentos de monitoramento e vigilância que também podem ficar nesse papel. Os mais famosos são os DVRs (para cameras cabeadas) ou HDRs (para cameras wireless). No entanto estes são absolutamente inadequados pois em sua maioria comprimem a nível de hardware as imagens das cameras, ocasionando uma considerável perda de qualidade. Vale repetir: esses equipamentos não são adequados pois seu uso é voltado para monitoramento de cameras de segurança, condominio, etc e naturalmente o equipamento vem projetado para reduzir bem a qualidade, afinal vídeos de monitoramento de segurança em geral não podem ser pesados (a compressão acontece quando passa por esse hardware, então não temos como fazer nada).

Esses equipamentos podem estar configurados assim: um DVR ou HDR recebe multiplas entradas de diversas câmeras, geram uma saída RCA, HDMI ou super vídeo (s-vídeo) e essas saídas (uma delas ou várias) são conectadas diretamente no computador com auxílio de uma placa de captura de vídeo. Uma vez contectada a saída dos DVRs ou HDRs no computador, este se encarrega de tratar essa saída como um fluxo de vídeo que deve ser encaminhado para alguns software de transmissão. Como os DVRs/HDRs não possuem gerenciamento de audio eles trazem de partida um problema: a necessidade de uma mesa de audio para o gerenciamento de multiplas entradas de som. Em caso de um único dispositivo de captura de audio, isto é, um único microfone (ambiente, focal ou lapela), este pode ser conectado diretamente no computador ou através de uma placa de captura de audio (ou placa hibrida, que capture audio e vídeo), dispensando assim a necessidade de uma mesa que gerencie multiplas entradas de audio.

Vale lembrar: essa estrutura é inadequada! Fique atento e evite usar esse tipo de equipamento para fazer gerenciamento de câmeras.

Dvr4 2600 4pro 580 cameras-11372350.jpg Dvr.jpg Dvr+gravador+stand+alone+8+ch+canais+acesso+3g+h+264+r+time+peruibe+sp+brasil 7C586B 1.jpg

Câmeras

  • Webcam

Referência: http://videohero.com.br/melhor-webcam/

  • Handcam
  • DSLRs
  • Câmeras de vigilância


Computadores, Inputs e Outputs

  • Placas de captura

Switchers / Mixers

Switcher SD (somente uma entrada fullHD)

Switcher fullhd


Não são adequados, embora funcionem de alguma forma e podem ser usados em alguns casos:

  • Aparelhos de DVR: eles funcionam como switches, mas não cumprem a função corretamente porque são projetados para monitoramento de vigilância (sistemas de condomínio, etc). Alguns vem com 4, 8 e até 16 entradas para câmeras. Existem muitos modelos no mercado e costumam ser bem baratos (muito mais do que switches de vídeo reais).
  • Aparelhos HDR: são parecidos com os DVR, mas se diferenciam por funcionarem com câmeras com ip (wireless câmeras), permitindo controle a distância de inputs;
  • Switchers de comutação: são equipamentos simples, em geral para uso caseiro de troca de dispositivos;
ATEM TVS - Black Magic

Softwares e serviços

Mostrando e assistindo

Tutoriais


Referências